Amsterdam O que fazer?

Conexão em Amsterdam: o que fazer em 10 horas


Se você gosta de viajar, já sabe que  conexões podem ser favoráveis no seu planejamento de roteiro. Muitas conexões permitem que o passageiro possa sair do aeroporto e conhecer um pouco do local de parada. Essa pode ser a sua condição quando estiver viajando e seu voo fizer uma conexão em Amsterdam.  Mas o que fazer em uma conexão em Amsterdam?

Como não poderia ser diferente, nós fizemos um pequeno roteiro para que você possa conhecer nossa querida Amsterdam em uma conexão de 10h. É muito importante destacar que, reunimos os principais pontos para serem visitados e que, toda e qualquer alteração na rota pode causar algum transtorno no tempo estimado. Também é muito importante que  você esteja ciente de que, podem existir alterações de horários no seu voo e, principalmente, algum contratempo com o transporte público. Por isso nós recomendamos que seu passeio pela cidade seja acompanhado por um de nossos guias. Além de otimizar o tempo para você, nossos guias apresentam a cidade por uma perspectiva histórica que vai deixar o seu passeio ainda mais enriquecedor. Se esse for o seu interesse, basta enviar um email para contato@conexaoamsterdam.com.br.

DICA: Leve em consideração que você precisa estar no aeroporto com 2h de antecedência para o retorno e que o translado entre aeroporto e centro leva cerca de 15 minutos. Por isso recomendamos que todo o passeio seja feito a pé, assim você otimiza seu tempo ao máximo.


Dito isto, chegou a hora de descobrir o que fazer em uma conexão em Amsterdam.

A chegada no aeroporto

Assim que seu voo chegou e você está liberado para descer, o primeiro passo é passar pela imigração. É importante saber que dependendo da época do ano, pode ser que a fila esteja um pouco extensa e isso já irá consumir um pouco do seu tempo disponível. Tenha em mente que esse processo de descer do avião e passar pela imigração pode levar cerca de 50 minutos (ou mais).

É possível que você venha com uma mala de mão e, se este for o caso, o aeroporto conta com um local para deixar sua bagagem. Nós recomendamos fortemente que você deixe sua bagagem no aeroporto para aproveitar melhor o seu passeio. Os preços podem ser verificados clicando aqui.  O pagamento é feito quando você recolher sua bagagem e não é aceito dinheiro, apenas cartão de crédito.

ATENÇÃO: Guarde o seu recibo em um lugar BEM seguro! Caso você o perca, será necessário um pequeno transtorno que vai levar tempo e a cobrança de uma taxa de administração de 8€. Dica: tire uma foto do seu recibo.

Após fazer todo esse procedimento, você precisa comprar os tickets para chegar até o centro da cidade.  O ponto de chegada será a Estação Central e é para esse destino que você deve comprar o seu bilhete. Recomendamos que a compra do bilhete de retorno já seja efetuada, assim você ganha mais tempo para poder passear. Em todas as máquinas você tem a opção de comprar esse bilhete. Nós ensinamos como efetuar a compra neste artigo. Agora é a hora de pegar o trem que deve sair das plataformas 1 e 2 e esperar para chegar ao seu destino, a Centraal Station.  

Tour pelo centro histórico de Amsterdam

O primeiro ponto da sua conexão em Amsterdam é a Centraal Station. O icônico prédio está localizado bem no centro histórico da cidade. É um prédio em estilo neo-renascentista e foi aberto ao público em 1889, como outras construções deste período, a estação foi projetada para glorificar a cultura holandesa e representar a proeza econômica da nação. De fato representou, sua fachada palaciana e quase imponente foi concebida por Pierre Cuypers – um famoso arquiteto holandês cujo trabalho inclui o Rijksmuseum.

A Estação Central recebe partidas e chegadas de linhas de trens de toda Holanda e alguns países da Europa. É possível ir para Gent e Bruges na Bélgica, assim como Alemanha e Londres, na Inglaterra, por exemplo.

Bem próximo a Estação Central fica a Basílica de São Nicolau, a principal igreja católica romana de Amsterdam. Visitar igrejas é uma escolha muito pessoal, mas se vale um bom conselho, elas contam muito da história de uma cidade e visitar a Basílica de São Nicolau vai ser uma das tarefas mais fáceis de todas essas dicas aqui. O arquiteto Adrianus Bleijs projetou a igreja com base em uma combinação de vários estilos: os mais proeminentes são o neobarroco e o neo-renascentista.

Agora o caminho é em direção à praça Dam. Em torno de 1270, uma represa foi construída nesse local, onde passava o rio Amstel. A Praça Dam também já foi o mercado central de Amsterdam, onde se encontrava qualquer produto imaginável. Em 1535, esse mesmo local foi cenário de revoltas dos anabaptistas. Já na história mais recente, próximo do final da Segunda Guerra Mundial, soldados alemães mataram cidadãos inocentes nesse local durante um tiroteio. Nas décadas de 1960 e 1970, ocorreram protestos de estudantes aqui, assim como protestos contra a Guerra do Vietnã. Mas não se preocupem, a Praça Dam tem estado tranquila nas últimas décadas. Os últimos protestos foram em 1980, na ocasião da investidura da Rainha Beatriz na Nieuwe Kerk. É aqui que vocês vão encontrar três dos símbolos de maior destaque da praça.

O Monumento Nacional que foi inaugurado em 4 de maio de 1956, foi construído em memória daqueles que morreram durante a Segunda Guerra Mundial. No dia 4 de maio de cada ano, vários dignitários, incluindo representantes da família real, homenageiam nesse local as vítimas da guerra. O Palácio Real também fica na Praça Dam.

O Palácio Real é um dos três palácios ainda usados pela Família Real, apesar de não ser a residência oficial do Rei Willem-Alexander, ele ocasionalmente recebe visitantes importantes e chefes de Estado ali. O palácio é aberto para a visitação, e nós super recomendamos este programa.

A Nieuwe Kerk é um dos símbolos de resistência da cidade de Amsterdam. A igreja sofreu grandes danos pelos incêndios da cidade nos anos de 1421 e 1452. A edificação foi destruída em quase totatilidade no ano de 1645, também por culpa de um incêndio. Diante de todas as suas restaurações e recontruções, a igreja assume caracteristicas góticas e neogóticas em sua arquitetura.

Depois de conhecer os principais pontos próximos a Estação Central é hora de comer a famosa torta de maçã holandesa na Winkel 43. Ela é tão deliciosa que até as pessoas que não gostam de torta de maçã acabam se apaixonando. As tortas saem praticamente do forno pra mesa, chegam quentinhas, com massa crocante e uma colherada generosa de chantilly fresco. Para acompanhar, um cafézinho, smoothie de frutas do dia ou chá de hortelã fresca. Vale muito a pena!! Essa região merece um passeio com tranquilidade.

Agora a caminhada segue até o mercado das flores, o Bloemenmarkt. O mercado das flores é um mercado flutuante; apesar de não muito visível, as bancas de flores ficam sobre plataformas flutuantes. Vocês vão encontrar todos os tipos flores, tulipas e bulbos. E claro, muitos souvenires e muitos turistas ali!! É hora de garantir aquela lembrancinha para os amigos e familiares.

Bem pertinho dali está a Rembrandtplein e Blawebrug (Ponte Azul), sob o rio Amstel. Região que merece uma pausa para muitas fotos e a observação das famosas casas barco. O rio que percorre cidade adentro ganha um charme todo especial com as casas barco que moldaram a estrutura da cidade após a Segunda Guerra Mundial.

Uma caminhadinha a mais e o destino agora é gastronômico. Quer melhor oportunidade para conhecer uma cidade do que através das comidas de rua? Por isso a próxima parada é para experimentar a deliciosa batata no cone na Vlaams Friteshuis Vleminckx. Vocês podem escolher entre 3 tamanhos de cones, Small (pequeno), Medium (médio) ou Large (grande). Existem também as opções de molhos para serem colocadas no topo da batata. O mais tradicional, claro, é a maionese. Mas você pode escolher entre uma infinidade de molhos: ketchup, maionese tradiconal, maionese com alho, cheedar, mostarda…

A caminhada segue até o Begijnhof, um dos lugares mais belos de Amsterdam. O pátio interno, que fica atrás de uma porta “normal” vista da praça foi construído por volta de 1300 com casas no estilo típico de Amsterdam. O Begijnhof tem uma história fascinante, com muitos eventos, a irmandade de católicas e até mesmo milagres. As mulheres que faziam parte da irmandade de católicas e viviam ali eram chamadas de beguinas. Essas mulheres viviam como freiras mesmo sem ter feito votos a Deus. A irmandade de católicas cuidava dos doentes e educava os pobres. Elas tinham suas próprias regras e podiam, por exemplo, deixar a irmandade para se casarem. Observe que o Begijnhof é uma propriedade particular e é local de silêncio. Endereço: Begijnhof 30 – a porta principal (de madeira) fica praticamente ao lado da livraria The American Book Center

Agora é hora de ir retornando à Estação Central, mas antes uma breve caminhada pelo Red Light District e logo em seguida, para finalizar com chave de ouro, um passeio de barco pelos canais. O passeio dura cerca de 1h e você pode comprar as entradas antecipadamente clicando aqui. Os barcos saem e retornam do mesmo ponto, o que vai facilitar e muito o seu retorno até a Estação Central. Quer conexão mais completa que essa? Temos certeza de que seu passeio por Amsterdam irá render lindas fotografias e muita história para contar. É hora de voltar para a Estação Central e retornar ao aeroporto Schipol.

MAIS CONEXÃO AMSTERDAM

Vale a pena lembrar que além de dicas, serviços personalizados como ensaios fotográficos em Amsterdam e roteiros personalizados para Amsterdam, nós também preparamos para você o Guia de Túristico de Amsterdam. O Guia do Conexão Amsterdam conta com várias dicas práticas e dicas da cidade selecionadas por quem realmente conhece Amsterdam, para você. O Guia já foi vendido para mais de 500 leitores como você e o preço é apenas 7,99 euros! Todos os detalhes sobre o guia e uma amostra grátis podem ser encontrados AQUI!

Leave a Comment